Páginas

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

A Causa, Eu e meu Violão!


Por: Carlos Grison.

A causa tomou rumos incompreensíveis para mim e meu violão
Minh ‘alma anda cansada
Os olhos anuviados já não enxergam como antes
Minhas mãos destreinadas já não tocam como antes
Minhas crenças uma a uma vão ao chão
Como as folhas perdendo os seus  verdes  para o outono e enterrando-se no inverno

Não vejo mais no reflexo de meu espelho o espirito que me trouxe até aqui
Muito lodo pelo caminho muito descontentamento
Muitos sonhos aos redores sustentados apenas por riqueza
A pureza perdeu se n´algum lugar da estrada
Ainda exerço força em meus pensamentos para defender-me das investidas da cobiça
Mas há agora o questionamento corriqueiro que me atiça como um sopro aos ouvidos

De que valeram tantos anos tantas lutas por tua causa
O sopro pergunta e nem faz pausa...
Já nem com o teu violão consegues mais contar

Impedido de qualquer gesto e reação sonho acordado para que possa libertar-me
Em estase transporto-me para uma realidade paralela  
Onde todos são de fino trato e poucos trapos
Onde não faltam palavras de gentileza e a nobreza é medida por sorrisos e gestos não por posses

Dura pouco

O tempo para meu cigarro acabar

Acordo novamente em minha sacada
Com o olhar perdido fixo em uma pipa presa ao galho da arvore em frente a minha casa

A sensação é de que fui vencido
E assim me sentindo desnudo
Me alheio a tudo
Não me falta devoção
Talvez esteja apenas cansado
Até mesmo para meu fiel amigo violão

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Canção de Ninar para Malú.


Por: Carlos Grison.

Canção de ninar para Malú
Para descansar seu corpo em luz
A lua alumia o céu azul
Convidando suas amigas para dançar 

Sorridentes as estrelas pelo céu
Refletem suas cadências além-mar
Desenhando um luminoso carrossel
Ninando Malú para sonhar

Canção de ninar para Malú...

quarta-feira, 18 de maio de 2016

MENINO INVENTIVO.


Por: Carlos Grison.

Guardo ingenuamente a esperança
A esperança de que ainda exista
Mesmo que muito bem espalhado por aí
Alguém que seja safo de mentir e ainda acredite na alma humana

Para isso me torno criativo
Menino inventivo de falsos personagens
Personagens esses que quando cumprimentam se
Ainda se olham ainda se falam

Enquanto o mundo a minha volta nega meu suplicio
Açoitando com a poluição dos olhares que sem eira nem beira
Desacreditam de minha boa vontade
E o meu bom dia e o meu bom  boa tarde tornam-se apenas gestos mudos

Inclusive tornam-se gestos dignos de olhares desconfiados
Acirrados e atentos a qualquer movimento de mal intento
Enquanto eu ali com tanto zelo
Protejo o menino inventivo e ainda acredito
Naquele bom dia leve naquela boa tarde breve
No aperto de mão sincero e também no sorriso legítimo

terça-feira, 5 de abril de 2016

A Criação.


Por: Carlos Grison.


Observar algo tão raro
Me fez crer na criação
Os muros todos desabaram
O mundo agora então  mudou

Alvoreceram-se as ideias
O entendimento amplificou
Nesse mundo de matéria
O improvável se impôs

Pode crê você está nessa
O universo te envolveu
Na viagem cosmológica
Sem destino para parar

Seguindo o rastro das estrelas
Vendo um planeta se alinhar
Com seu satélite mais próximo
Para então se equilibrar

A existência não é jogo
Não tem espaço para o azar
As regras todas se perderam

Sem gravidade para voltar 

quarta-feira, 23 de março de 2016

quarta-feira, 16 de março de 2016

Desesperança!


Por: Carlos Grison.

Não beira a base do nazismo
Isso está mais para fanatismo
Os conceitos invertidos
Não tem mais o que falar

Eu vou mudar a minha fala
Trocar os meus conceitos
Mudar de endereço
Talvez vá ``pro´´ litoral

Por que eu trabalho o dia inteiro
Não vejo a cor do dinheiro
E me aparece um safado
Gritando em alto tom

Que não fez nada de errado
Que está sendo perseguido
Até parece um mendigo
Dentro de um terno bom

Só escute o que eu digo
Quem dera eu ter amigos
Que me dessem o suporte
Que tem esse doutor

Mas não vejo outra saída
Então calo o meu grito
Para passar despercebido
Em frente a tanta humilhação

O que me mata e maltrata
É ver gente alienada
Defendendo com afinco
A atitude de um ladrão

Por favor....
Seu doutor eu vou parar...
Meu esquema agora de verdade é trabalhar
É só... e só eu vou
Labutar atrás de um dia bom
E quem sabe um dia sentir a esperança voltar

domingo, 13 de março de 2016

sexta-feira, 11 de março de 2016

MÚSICA BOA! Fábio Brinholli e a Entropia.


Por:

Fábio Brinholli e a Entropia.

Abaixo o link de uma música com músicos maravilhosos, masterizada por Julio Anizelli!
E de cá já vai um grande abraço para o Burka, Julião, Caio e Plug! Vocês são Almas maravilhosas!

https://www.youtube.com/watch?v=gmWSARtMwKo

Músicos:
Fábio Brinholli
Diogo Arrebola (Burka)
Vinícius Lordelos

Captação de Imagens:
Laura Guerra
Rodrigo Codato

Captação de Áudio:
Daniel Casarin (Rosa)

Mixagem:
André Gião

Masterização:
Júlio Anizelli - Estúdio PlayRecPause 

Edição:
Filipe Menck
Renan Leal - Cafeteria Filmes

quinta-feira, 10 de março de 2016

A CULPA É DE QUEM? CLARO... SÓ PODERIA SER DELE... DO CARTEIRO!


Com tudo que anda acontecendo, resolvi postar essa frase genial criada pela minha amiga Fabi!
Tirem suas conclusões! 

Por: Fabiana Ballardin Rech.

´´COLOCAR A CULPA NA MÍDIA PELO O QUE ESTÁ ACONTECENDO NA POLÍTICA DO BRASIL, É A MESMA COISA QUE BRIGAR COM O CARTEIRO POR ELE ENTREGAR A FATURA DO CARTÃO DE CRÉDITO.´´

Sopapos deunatelianos!
Abraços a todos!

segunda-feira, 7 de março de 2016

LANTERNA NA PROA - CARLOS MALTZ


E aí pessoal!?

Hoje estou passando para divulgar uma gravação do Carlos Maltz no ano passado para promover o lançamento de seu livro: O ULTIMO REI DO ROCK!
Letra e sonoridade de primeira!

Abaixo está o link do som no Youtube! É só copiar e colar! O link não está carregando no Blog!)

Deem uma escutada e quem sabe um curtir! Vale a pena escutar!


Abraços deunatelianos a todos!